Uma História de Amor

Éramos três amigos viciados em internet e em mIRC, grande moda da época, em um canal (sala de bate-papo) de quiz. Eu era recém-solteira de um namoro de quase dois anos, ela era ruiva e solteira e ele era noivo.

Eles eram os meus dois melhores amigos, na época. Estavam sempre ali, quando eu mais precisava. Os três um tanto caseiros, um tanto nerds, um tanto na deles. Mas ele e ela ainda não se conheciam. Como se conheceram?

Certo dia, ele me convidou para ir ao cinema. Eu não via nada demais, só que em Belém – apesar de ser “metrópole”, não deixa de ser provinciano pelo fato de quase todo mundo se conhecer, de alguma forma. Então seria muita queimação eu sair sozinha com um cara praticamente casado. Unindo o útil ao agradável, convidei-a para nos acompanhar.

Era dia de estréia – e eu não tinha idéia disso – o cinema estava lotado, o que prolongou a nossa conversa pré-filme. Os três se conheciam pessoalmente naquele dia. E os dois, sabiam da existência um do outro pelo meu intermédio.

O programa mais divertido do final de semana era sair com eles. Nós éramos grande amigos. E foi duro quando ele terminou o noivado por ter descoberto que a noiva era uma grande salafra. Ele vendeu as alianças, desabafou, mas ali, forte.

Ela se apaixonou (na verdade, já estava apaixonada bem antes!). Ele terminou o noivado e começou a se abrir. Certo dia, eu faltei em algum dos nossos encontros, quando ela o beijou. E os dois começaram a namorar.

Isso foi há cinco anos e perdura até hoje. Num namoro sólido e consistente. Porque quando se pensa nele, é inevitável não pensar nela. E quando se fala nela, é óbvio que também estaremos falando dele.

E eu assisto a tudo isso, muito orgulhosa de ter contribuído. Na verdade, eu só dei aquela forcinha para o destino. Um empurrãozinho de nada para que eles fizessem o resto.

Não estou falando de um simples namoro. Nanani-na-não! Porque namorados, eu conheço muito outros que estão por aí há mais tempo, mas sem nenhum respeito, sem nenhum altruísmo.

E estou é falando de AMOR.

Scott e Dolores

* Outra história linda, mas que eu acompanhei de bem longe. E sempre me emociono quando eles são citados: Ian Black e Marina Santa Helena.
Advertisements

5 pensamentos sobre “Uma História de Amor

  1. Só te digo “Ainda bem que eu fui naquele cinema”.

    Isso é a prova de que algumas coisas acontecem
    mesmo quando as circunstâncias não ajudam nem um pouco.

    Lindo texto, linda homenagem. Mas não me faz chorar
    assim amiga, borra o blush. heheh

    =)

  2. Como te falei no MSN, se eu fosse sensível tinha chorado também. =P

    Achei sensacional a homenagem! Muito legal da sua parte, Jéssi. =)

    E na verdade ainda temos 2 meses pela frente até completarmos 5 anos. =))

  3. Que história linda!

    Desejo felicidades aos seus amigos!

    Essas coisas são as maiores provas que o amor realmente existe, né? E acho que um dia (pode ate demorar para uns) mas ele sempre vem… basta só aproveitarmos a oportunidade! =)

    beijos!

  4. Um dos casais mais bacanas que conheço, uma das melhores combinações também. Não imagino alguém mais “Malu” que o Rodrigo e vice-versa.
    Bom ser amiga de gente assim e acreditar no amor que dá certo.
    É por esses (e poucos outros) exemplos que a gente casa na vida.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s