Amor e Ódio em Duas Versões

Versos Íntimos


Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

Augusto dos Anjos

ou

O Inimigo Real do Amor

Em lugar do medo, viva o amor; eles são pólos opostos. As pessoas geralmente acham que o amor e o ódio são opostos; isso é errado, eles não são. O amor e o ódio são a mesma energia. O amor pode se tornar ódio, o ódio pode se tornar amor; eles são conversíveis. Então eles não são opostos, são complementares.

Na realidade nós amamos e nós odiamos a mesma pessoa: o amor e ódio estão sempre juntos. A oposição real é entre o amor e o medo. Eles nunca estão juntos; se você se tornar muito apegado ao medo, o amor desaparece. O medo não pode ser convertido em medo; eles não são conversíveis.

Somente o amor torna alguém rico. O medo aleija, paralisa, e quanto mais paralisado, mais medroso você se torna; então é um círculo vicioso. O amor lhe da asas, ajuda-o a relaxar na vida, lhe dá coragem para experimentar a vida de maneiras diferentes. Permite-lhe todo o espectro da vida, é multidimensional. É o arco-íris inteiro, todas as cores da vida. Então a primeira coisa: abandone o medo e beba mais e mais amor, substitua o medo por amor.

E a segunda coisa: pense no céu, na vastidão; pense na liberdade, no infinito. Não pense em coisas pequenas, triviais. O medo sempre pensa em coisas pequenas; o amor nunca pensa em coisas pequenas. O amor está pronto para sacrificar tudo; o amor pensa somente no vasto. É uma águia no vento, a procura do desconhecido.

Osho

Advertisements

2 pensamentos sobre “Amor e Ódio em Duas Versões

  1. O amor e o ódio são os extremos opostos de um círculo. São ao mesmo tempo opostos e vizinhos.

    Às vezes é necessário dar uma volta completa, passando por amor, gostar, querer bem, tanto faz, “quem é mesmo?”, “tenho restrições”, “não gosto”, raiva e ódio.

    Outras vezes é só um pulo: amo e no instante seguinte, odeio.

    Conheço a história de uma mulher que amava um colega de trabalho como se ele fosse o filho que ela nunca tivera. Durante muito tempo ele suportou aquela senhora o chamando de filho, sufocando-o com seus carinhos (e também com o detestável perfume floral usado em excesso). Um dia ele deu um “chega pra lá” nela.

    A partir de então, ela se tornou a maior inimiga dele na firma, passou a criticá-lo para os superiores até que ele fosse demitido. Ainda não satisfeita, queimou sua imagem no mercado de tal forma que o coitado passou dois anos desempregado (ou subempregado em serviços menores).

    O oposto do amor é o medo ou a indiferença. O oposto de amar outra pessoa é ser indiferente a ela. O oposto de sentir amor é sentir medo.

    São dois opostos, dependendo se amar é verbo transitivo ou intransitivo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s