O Olhar Confidente

Para uma amiga

E por nos parecermos, mesmo sendo muito diferentes, andamos juntas, quase sempre falando muito mesmo, uma interrompe a outra, ou até, interrompendo a nós mesmas para abrir um parêntese, por vezes, até esquecendo o assunto principal.

Não sou tão sensível quanto ela, ela é intensa, fala bonito. Eu sou prática, espontânea, falo atropeladamente. Ela é culta, quase antissocial (diz ser). Eu sou cosmopolita, leio muito, mas nada tão cultural assim.

Ambas escrevemos. Talvez porque lemos muito. Talvez porque falamos muito e quando não temos ninguém para falar, resta-nos escrever. Ou apenas, porque gostamos e isso não dá para explicar.

Acreditamos que foi nossa energia que nos atraiu. E hoje, conseguimos nos comunicar através do olhar. Perceber sem falar. Agir, sem pensar se vai agradar ou não. Porque eu a aceito (mesmo sendo tão contrária, tão diferente, tão não-Jazz). E ela me aceita (mesmo eu sendo tão não-ela, tão maquiada, tão tão eu).

E a gente se olha e conversa, assim, sem palavras, em um segundo de silêncio. E quando penso em convidá-la para sair, ela me chama. E quando falo algo, ela já tinha pensado em falar.

Telepatia? Que seja. Eu prefiro chamar de amizade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s